Seguidores

sábado, 26 de junho de 2010

O ENCONTRO


A imensidão do mar
Traz pensamentos que o próprio olhar
Pelo horizonte volta e faz buscar.

A sensação da chuva
Nos faz lembrar o cheiro
da mais bela uva
Mas no ambiente funde e se confunde
Com outro que não sei de onde.

O sabor do vinho
Inebria meus sentidos
Ousa o mais velho instinto
Ao cruzar daquele olhar distinto.

O impulsionar da música
Faz conduzir os passos
Em agônica súplica
Na direção de uma pessoa única.

O calor dos corpos
Fez aguçar desejos . . .
As mãos . . .
Os dedos . . .

O olhar no olho . . .
Fez demonstrar quem somos
E a quem . . . fomos feitos.

O sabor da boca
Fez eclodir sentidos
Emoções diversas
Calor, frio, calafrios
Sentimentos às avessas

Nossos corações racharam
E em flores desabrocharam
Como se o nada existisse
E o tudo fosse apenas nós
Como se ninguém nos visse.

O ritmo da voz
Em som trêmulo e preciso,
Passa a recitar um poema
Breve, contudo inciso,
Que mudaria para sempre
Nossas Vidas . . .

. . . - T e A m o ! . . .


2 comentários:

  1. Excelente o poema parabéns.um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Grato por passar por aqui e ler nosso trabalho.
    volte sempre.

    ResponderExcluir